Bafômetro passivo será usado no Carnaval para detectar motoristas embriagados

“A tecnologia do equipamento permite a identificação do consumo de bebida alcoólica por aproximação, o que agiliza a fiscalização e reduz os custos com bocais descartáveis”.

Com a chegada de uma das festas mais populares do país, a tendência é que o fluxo de veículos nas estradas, ruas e avenidas aumente e para garantir que as pessoas curtam a folia com segurança, a Polícia Rodoviária Federal utilizará o bafômetro passivo no Carnaval. O equipamento tem uma tecnologia que possibilita a detecção do consumo de bebida alcoólica à distância, o que reduz custos com a compra de bocais descartáveis e agiliza a fiscalização.

“Basta aproximar o aparelho da cabine ou junto à boca do condutor, sem a necessidade de contato físico, para indicar se houve ou não o consumo de álcool. E quando a sinalização é positiva, o motorista é triado para soprar o bafômetro tradicional”, explica Rodrigo Silveira, diretor comercial da Orbitae, empresa especializada em aparelhos de detecção de álcool e outras substâncias psicoativas.

O executivo explica que o bafômetro passivo indica apenas a presença, mas não a quantidade de álcool presente, prova necessária para a autuação ou eventual prisão do motorista, por isso é importante o uso do tradicional. “Um bafômetro complementa o outro, principalmente porque o passivo poupa tempo dos agentes fiscalizadores, dos condutores de veículos e ainda traz economia para os cofres públicos”, destaca.

Rodrigo acrescenta que além disso, no caso do Alcoscan, bafômetro passivo da Orbitae, há a vantagem dele poder ser operado com apenas uma mão e de precisar apenas de uma calibração anual. “O equipamento tem ainda um software de gerenciamento de estatísticas, que garante informações precisas quanto à localização, data e hora da medição e ainda possibilita a inclusão de dados do condutor”, comenta.

Testes

Dados da Polícia Rodoviária Federal indicam que apenas nas festas do final do ano passado, por exemplo, foram realizados 115 mil testes com bafômetro tradicional, dos quais quase 3 mil deram resultados positivos.

“Uma conta simples demonstra que, caso o bafômetro passivo tivesse sido utilizado em 100% dessas abordagens, 112 mil testes – e bocais – poderiam ter sido evitados o que possibilitaria, além da economia financeira, a ampliação da fiscalização e, consequentemente, estradas mais seguras para todos”, finaliza.

Colaboração | Nils Peter

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

IÇARA | Boletim Covid-19 do hospital São Donato

O Hospital São Donato tem 8 leitos ocupados para tratamento de coronavírus ou suspeita: LEITOS OCUPADOS NA UTI: 3 - CASOS CONFIRMADOS (3) - CASOS SUSPEITOS (0) LEITOS OCUPADOS NA CLÍNICA:...

Bombeiros abrem inscrições para curso de guarda-vidas civil

Até o próximo dia 10 de outubro, o Corpo de Bombeiros Militar de Laguna estará com inscrições abertas para o curso de formação e...

Avião do governo do Estado está no leilão da próxima quarta-feira

A Secretaria de Estado da Administração realiza na quarta-feira (30/09), um super leilão de bens móveis, contendo 265 lotes no total. Entre o que...

“King Kong em Asunción” vence o Festival de Cinema de Gramado

O Festival de Cinema de Gramado divulgou, na noite deste sábado (26), os vencedores de sua 48ª edição, realizada de forma totalmente virtual. Por meio de...