ARTIGO: O pânico cria realidades alternativas que dificultam a racionalidade

Lidar com uma situação de pânico pode ser extremamente difícil para muita gente. Para alguns a situação num ataque de pânico é tão extrema que o seu corpo lhe dá uma resposta física extremamente forte também. Em tempos de quarentena, o nível de stress aumenta e, para muitos, leva a um estado de pânico.

Levando em consideração de que há muita gente que sofre deste tipo de transtorno o filósofo, psicanalista e especialista em estudos da mente humana, Fabiano de Abreu decidiu abordar o tema.

“O pânico e suas consequências como em qualquer outro comportamento depende das nuances e do tamanho de sua potência. Um ataque de pânico, por exemplo, pode até baralhar a sua mente com emoções que aceleram o batimento cardíaco, desfocam a visão e aumentam a transpiração levando inclusive, em casos extremos, a um ataque cardíaco ou AVC. Há o cuidado com a questão dos sintomas pois a ansiedade resulta em sintomas que pareça com infarto e não é.”, explica o psicanalista.

“O pânico é um episódio de medo e a sua intensidade varia de acordo com o tamanho das circunstâncias para o tamanho do seu medo. “, refere Abreu, consciente de que nem todos temos a mesma capacidade de gerir estas situações.

Mas tudo tem a sua explicação lógica e racional. O pânico não é exceção e também ele tem a sua definição biológica e química.

“Um aglomerado de neurônios que constitui a amígdala é o centro integrativo das emoções, motivações e todos os comportamentos emocionais incluindo a nossa reação de medo levando ao aumento da ansiedade. Há dois medos nos dias atuais, do falecimento e da falência.”, explica o especialista.

O pânico é um encadear de situações, um comboio interno que acelera a toda a velocidade quando lhe perdemos o comando. Como muito bem explica Fabiano de Abreu: “Então a definição do pânico é o medo que leva ao aumento da ansiedade que causa estresse e, nessa situação podemos distorcer a realidade por ter fugido em larga escala da razão sendo tomado totalmente pela emoção. ”

Mas há sempre formas de controlar e contornar este tipo de problemas. Ter ciência deles é o grande primeiro passo.

“Inteligência emocional é como denominamos a capacidade de manter o equilíbrio entre a razão e a emoção. Quando a emoção está fora de controle, perdemos a razão e, então, deixamos de ter a racionalidade e começamos a agir de uma maneira que nós mesmos em sã consciência, na razão, não aprovaríamos.”, explica Fabiano.

Para o psicanalista há uma série de etapas que devemos seguir. Segundo ele, “Temos que usar da inteligência emocional para vencer o pânico e a melhor forma é agir de acordo para que isso aconteça. Uma boa alimentação, atividades físicas, técnicas de relaxamento e distrações que lhe tragam conforto e bem-estar são o melhor remédio para evitar o pânico e controlar assim a ansiedade para que não perca a razão. São técnicas que aumentam a produção dos hormônios do prazer e do humor para buscar o equilíbrio em relação ao hormônio do estresse.”

Tudo parte de pequenas escolhas que fazemos para nós mesmos e de pequenas atitudes de hábitos que podemos controlar e mudar. Segundo Abreu, “Não podemos esquecer que podemos controlar a nossa mente e os nossos comportamentos. Se alimentamos a nossa mente de informações negativas, estamos a induzindo-nos ao pânico. Isso pode ser um ciclo vicioso, o medo causa estresse que libera o hormônio cortisol, responsável pela resposta do organismo ao estresse, ele afeta os receptores do hipocampo lugar onde está determinada a nossa capacidade de memória, atenção e codificação da realidade.

O cortisol se mantendo em alta dosagem pode ser muito perigoso e se, continuamente  nos alimentarmos de informações que mantenham o nosso medo, estaremos também mantendo essa produção maior de cortisol.”

Concluindo, o pânico tolda-nos a razão, retira-nos a capacidade de agir dentro de um padrão racional, impede-nos de fazer as melhores escolhas. No entanto, há pequenos comportamentos que conseguimos adotar que vão melhorar de forma significativa a nossa vida e a maneira como lidamos com algo que nos assusta.

“O pânico bloqueia a razão inibindo a plasticidade cerebral.”, termina Fabiano de Abreu

O conceito sobre o pânico de Fabiano de Abreu encontra-se no CPAH – Centro de Pesquisas e Análises Heráclito, com sede em Portugal e unidades no Brasil e na Holanda e estará no seu livro que será lançado este ano com o nome, Viver Pode Não Ser Tão Ruim – volume 2, ‘Das Frasetas ao Contexto.’

Fabiano de Abreu é membro da Mensa, associação de pessoas mais inteligentes do mundo com sede na Inglaterra conseguindo alcançar o maior QI registrado com 99 de percentil o que equivale em numeral a um QI acima de 180. Especialista em estudos da mente humana, é membro e sócio da CPAH – Centro de Pesquisas e Análises Heráclito, com sede em Portugal e unidades no Brasil e na Holanda.

Por Fabiano de Abreu /  filósofo e psicanalista

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Bombeiros abrem inscrições para curso de guarda-vidas civil

Até o próximo dia 10 de outubro, o Corpo de Bombeiros Militar de Laguna estará com inscrições abertas para o curso de formação e...

Avião do governo do Estado está no leilão da próxima quarta-feira

A Secretaria de Estado da Administração realiza na quarta-feira (30/09), um super leilão de bens móveis, contendo 265 lotes no total. Entre o que...

“King Kong em Asunción” vence o Festival de Cinema de Gramado

O Festival de Cinema de Gramado divulgou, na noite deste sábado (26), os vencedores de sua 48ª edição, realizada de forma totalmente virtual. Por meio de...

Governo deve destinar mais R$ 10 bilhões para 3ª fase do Pronampe

O governo federal, por meio do Ministério da Economia, deve destinar mais R$ 10 bilhões para uma 3ª fase do Pronampe (Programa Nacional de...