Aquarela de Van Gogh esquecida em sótão é revelada no Japão

Uma aquarela de Van Gogh exibida apenas uma vez, em 1903, e fotografada somente em preto e branco até então, foi comprada por um colecionador japonês e emprestada ao acervo do Museu de Arte Moderna de Saitama, em Tóquio. Nessa sexta-feira, 16, o site especializado The Art Newspaper compartilhou uma imagem inédita da pintura em cores, batizada de O Prado de Van Gogh, com Igreja Nova ao Fundo. A publicação ainda compartilhou uma curiosa história sobre a jornada da obra até o museu japonês, narrada por Martin Bailey, especialista no pintor holandês.

Segundo o texto, Vincent Van Gogh (1853-1890) pintou a aquarela em questão na região de Schenkweg, uma estrada a leste de Haia e próxima à casa onde ele dividia o quarto com a namorada Sien Hoornik, uma ex-prostituta e musa inspiradora. Quando se mudou para a vila dos pais, em 1884, levou os trabalhos feitos em Haia, mas acabou por deixá-los para trás em um caixote de madeira dois anos depois, quando foi embora da cidade. Em 1886, sua mãe se mudou para Breda, e levou o caixote consigo, mas, como a casa era pequena, ela deixou os pertences do filho com um carpinteiro local, Adrianus Schrauwen, que trancou a caixa no sótão depois de identificar uma infestação de cupins.

Anos depois, Schrauwen finalmente abriu o caixote abandonado, e deparou com pastas repletas de desenhos, aquarelas e reproduções. No ano que se seguiu, em 1903, as obras de Van Gogh empreenderam uma saga quase inacreditável. Primeiro, o carpinteiro achou que seria uma boa ideia se livrar delas junto com seus utensílios de cozinha, e vendeu tudo por 4 xelins britânicos, o equivalente a 15 libras esterlinas em cotação atual.

Em um segundo momento, o comprador, Johannes Couvreur, um negociante de móveis usados, guardou o caixote em uma adega, e revendeu algumas obras “na pechincha”, por poucos centavos. Parte delas foi parar nas mãos do dono de uma loja de roupas, Kees Mouwen, que repassou as peças para a negociadora de arte Margareta Oldenzeel – que, finalmente, percebeu o que tinha em mãos.

Consciente de sua aquisição, Oldenzeel realizou três exposições das obras de Van Gogh em 1903, uma das quais incluía O Prado de Van Gogh, com Igreja Nova ao Fundo agora sob gestão do museu japonês. Na ocasião, a aquarela foi vendida por 105 florins (9 libras esterlinas) e, posteriormente, passada a três colecionadores holandeses na primeira metade do século XX.

De 1950 para cá, não se sabe exatamente por onde a aquarela andou, mas ela foi comprada em setembro do ano passado por um colecionador que se acredita ser Katsushige Susaki, diretor do Marunuma Art Park, que fez um empréstimo de longo prazo para o museu Saitama, que agora detém a obra em seu acervo.

Datada de 1882, a pintura retrata uma área rural nos arredores de Haia, na Holanda. A maior parte da cena é ocupada por campos, vacas e instrumentos agrícolas, mas é possível ver a cidade se impondo ao fundo, onde se identifica a torre da Nieuwe Kirk (Igreja Nova) e a Igreja de St Jacob. As duas construções aparecem com mais detalhes em outra aquarela do holandês, batizada de Vista de Haia com a nova Igreja.

Reportagem: Amanda Capuano/VEJA.com

ÚLTIMAS NOTÍCIAS