AGRONEGÓCIO | Fruticultores recebem assistência técnica e gerencial para ampliar produtividade em SC

“Programa do Senar atende 180 produtores do Sul, Planalto Norte e Meio Oeste. Cultivo de pera, banana, uva, maçã, maracujá e pitaya são destaques no Estado”.

Com 5.800 pés de pera em um pomar de 2,2 hectares, o fruticultor Valmir Bueno de Oliveira colhe 14 toneladas/hectare de três variedades da fruta por ano em Monte Castelo, Planalto Norte catarinense. Ele, a esposa Lucineide, o pai Waldemiro e o filho Wladimir trocaram o cultivo de tabaco pela fruticultura e transformaram o pomar na principal atividade econômica da família. Além das peras que abastecem o mercado estadual e são o principal cultivo em crescimento na região, eles também produzem pêssegos, uvas e ameixas para comercialização em menor escala.

A família faz parte do grupo de 30 produtores da região que integram a nova turma do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) em Fruticultura do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR/SC), órgão vinculado à Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC). A partir de novembro, os fruticultores receberão assistência técnica dos profissionais especializados do SENAR durante dois anos para melhorarem produtividade, manejo, gestão e comercialização. O objetivo é acompanhar a produção, auxiliar os fruticultores no trabalho de campo e orientá-los no gerenciamento das atividades e na gestão dos negócios.

Ao todo, a ATeG iniciou neste ano o atendimento de seis grupos e 180 fruticultores do Estado nas regiões do Planalto Norte, Sul e Meio Oeste. O trabalho é desenvolvido em parceria com os Sindicatos Rurais de Timbé do Sul, Turvo, Fraiburgo, Videira, Tangará e Itaiópolis. Segundo a coordenadora estadual do programa, Paula Araújo Dias Coimbra Nunes, a metodologia dá suporte e direcionamento técnico aos produtores na gestão das propriedades.

 “É um modelo de assistência técnica continuado, que engloba todos os processos da cadeia produtiva e possibilita a realização de ações efetivas nas áreas econômica, social e ambiental, assim como os processos de gestão do negócio”, sublinha.

O produtor de banana de Ermo, no Sul, Alcione Cardoso Pedro, está no segundo mês de assistência técnica e já cita resultados. Com 5.000 pés de banana branca orgânica em uma área de 3,5 hectares, a família produz 1.280 kg da fruta por mês e está trabalhando na organização dos dados da produção para aprimorar a gestão dos negócios e ampliar produtividade e renda. “Buscamos esse acompanhamento técnico para aumentarmos a produção e o lucro, utilizando a mesma área de cultivo. O programa está apontando como podemos alcançar essa meta”, projeta Alcione. Além da banana, a família também produz tabaco e cultiva maracujá em um pomar de um hectare no sistema convencional. 

A evolução nos resultados é o que também espera Valmir Bueno de Oliveira. “A assistência técnica vai nos ajudar a melhorar a produção e ampliar a produtividade. Já implantamos sistema de irrigação por gotejamento e agora precisamos criar uma barreira de proteção contra a geada que há dois anos tem prejudicado a floração das plantas e o cultivo das peras”. 

METODOLOGIA

Na região Sul, dois grupos de fruticultura orgânica integram o programa, englobando 60 produtores dos munícios de Timbé do Sul, Turvo, Ermo, Sombrio e Jacinto Machado. Uma turma iniciou os trabalhos em outubro e a outra começa em novembro. De acordo com o supervisor técnico do SENAR na região, Jaison Buss, as principais culturas são banana, pitaya e citrus, 100% orgânicas.

“São fruticultores já organizados em associações, certificados de forma auditada e participativa e que integram o Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos. Nosso trabalho é apresentar a eles um modelo de adequação tecnológica associada à consultoria gerencial, que priorize a gestão da atividade de forma eficiente e permita alcançar mudanças efetivas no ambiente das empresas rurais”, destaca Buss.

A metodologia do programa está fundamentada em cinco etapas: diagnóstico produtivo individualizado; planejamento estratégico; adequação tecnológica; capacitação profissional complementar e avaliação sistemática de resultados.

A engenheira agrônoma e técnica de campo do programa em Timbé do Sul, Lucinéia Vanzetto, destaca que o grupo é formado por pequenas propriedades, com média dos pomares de 14 hectares e comercialização assegurada em todo o Estado pela Associação de Agricultores Ecologistas Vida Nova. Os desafios dos produtores, segundo ela, são a adequação ambiental das propriedades para a produção orgânica, organização e gestão dos negócios, além do manejo correto – cobertura do solo, podas, condição correta dos pomares, barreiras vegetais para reduzir a velocidade do vento e proteção de cultivares.

“A região tem vocação natural para a fruticultura, com distribuição de chuvas regulares durante o ano e calor na maior parte do período, o que facilita o cultivo. O maior desafio aqui é a adequação ambiental para a produção orgânica, que é diferenciada da convencional e ainda está em menor escala. A vantagem da produção, além da qualidade das frutas, é o preço, que se mantém estável durante o ano todo e ajuda no planejamento dos fruticultores”, ressalta.

Família Cardoso Pedro, produtora de banana de Ermo, sul catarinense

A banana tem safra o ano todo, a pitaya entre dezembro e maio e os citrus contam com plantio escalonado para o ano inteiro. Segundo Lucinéia, neste ano, além da pandemia que atrapalhou a comercialização, os produtores tiveram prejuízos com o ciclone bomba em julho e a chuva de granizo do início de outubro. Os eventos climáticos comprometeram 60% da produção de banana e boa parte da pitaya. “Os agricultores estão trabalhando na recuperação das áreas e contam com a ATeG para auxiliá-los na melhoria da produtividade”.

POTENCIAL

Na região do Meio Oeste, os destaques são para pomares de uva (28 t/ha), maçã (35 t/ha), pêssego (30 t/ha), ameixa (22 t/ha) e nectarina (22 t/ha). Segundo o supervisor técnico do SENAR, Jeam Palavro, duas turmas de produtores iniciam a assistência técnica e gerencial, abrangendo os Sindicatos Rurais de Fraiburgo e Videira no mês de novembro. Outra turma está sendo formada para iniciar na região de atuação do Sindicato Rural de Tangará. “A região já abastece outros Estados e tem grande potencial de crescimento. A ATeG é um passo importante na busca da profissionalização das atividades, através de controle dos processos produtivos e gerenciais”, observa Palavro.

No Planalto Norte, a turma que inicia em novembro em Itaiópolis abrange quatro municípios e será acompanhada pelo engenheiro agrônomo e técnico de campo Ricardo Costa. Segundo ele, o clima temperado potencializa a produção de pera, ameixa, uva, maçã, caqui e pêssego na região que é considerada o terceiro polo fruticultor no Estado. 

Família Oliveira, produtora de pera de Monte Castelo, Planalto Norte catarinense

“O potencial da região para a atividade é grande, especialmente pelo fato de surgirem culturas novas e a possibilidade de remuneração o ano todo. A produção convencional é mais forte, mas também temos produção orgânica, especialmente de uva. O desafio é organizar as propriedades e capacitar os produtores para melhorar a qualidade das frutas. Nesta cadeia, volume e qualidade precisam andar lado a lado”, detalha Costa. De acordo com o técnico, a maior oportunidade está na produção de peras, devido ao aumento de consumo e ao fato de o Brasil importar 80% das frutas que consome. “Isso mostra o mercado que temos para explorarmos”.

MERCADO

De acordo com dados da Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri/CEPA), o Estado possui mais de 14 mil fruticultores e mais de 55 mil hectares de área colhida nas principais lavouras. É o maior produtor de maçã do Brasil (500 mil toneladas), segundo maior produtor de pera (6.900 toneladas) e pitaya do País (330 mil toneladas), quarto produtor nacional de banana, com produção de 10,2% do total brasileiro e o terceiro na produção de maracujá — são 2,3 mil hectares de plantação, 80% deles na região Sul.

“São números que mostram a força do agronegócio catarinense nas mais diversas cadeias. O nosso programa chega para somar com o setor porque, além da técnica que melhora a eficiência e a eficácia da produção, a ATeG possibilita o aumento da rentabilidade das famílias”, sublinha o presidente do Sistema FAESC/SENAR-SC, José Zeferino Pedrozo.

“Temos muito orgulho deste programa que melhora o trabalho e a renda dos produtores e qualifica a produtividade em todas as cadeias atendidas no Estado. Nossa meta na Fruticultura é ampliarmos o número de turmas e de produtores assistidos em todas as regiões”, ressalta o superintendente do Senar/SC, Gilmar Antonio Zanluchi.

Neste período de pandemia, o trabalho de assistência técnica segue protocolo sanitário para atender todas as medidas determinadas pelos órgãos de saúde, entre elas, uso de máscaras, distanciamento social e higienização com álcool em gel.

MB Comunicação Empresarial/Organizacional

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

IÇARA | Hospital São Donato registra 17 leitos ocupados; dez são de UTI

Na sexta-feira, o Hospital São Donato, de Içara, registra 17 leitos ocupados para tratamento de coronavírus ou suspeita de contaminação, são dois a mais com...

Fiocruz prevê vacinar 65 milhões no 1º semestre de 2021

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aumentou a expectativa de vacinação dos brasileiros contra o coronavírus após o anúncio de eficácia divulgado pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford....

Papai Noel dos Correios vai contemplar 220 crianças dos Cras de Criciúma

Lápis, papéis e cores. É por meio disso que 220 crianças, com até 11 anos, confeccionaram suas cartas, demonstrando os seus desejos para o...

MEC pretende elaborar uma Matriz Nacional Comum de Competências do Diretor Escolar

Com objetivo de elaborar uma Matriz Nacional Comum de Competências do Diretor Escolar, que vai servir para orientar as redes de ensino a empreender...