59% dos brasileiros dizem ser melhor adotar pets abandonados do que comprar

Pesquisa PoderData indica que 59% dos brasileiros defendem que as pessoas deveriam parar de comprar cães e gatos e apenas adotar pets abandonados. Outros 21% são a favor do comércio dos animais e 20% não souberam responder.

© Fornecido por Poder360

A pesquisa foi realizada pelo PoderDatadivisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é realizada em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Os dados foram coletados de 26 a 28 de outubro, por meio de ligações para celulares e telefones fixos. Foram 2.500 entrevistas em 488 municípios, nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os brasileiros que representem de forma fiel o conjunto da população.

De acordo com o levantamento, em todos os grupos demográficos há maior percepção favorável a ideia do fim da compra e venda dos animais de estimação. No entanto, os mais ricos, que recebem acima de 5 salários mínimos, são favoráveis a continuidade do comércio.

Quem mais defende a adoção e é contra a compra de pets:

  • mulheres (65%);
  • pessoas de 16 a 24 anos (70%);
  • moradores do Centro-Oeste (66%);
  • os que só têm o ensino fundamental (62%);
  • os sem renda fixa (68%).

Quem mais acha que as pessoas não deveriam parar de comprar cães e gatos:

  • homens (25%);
  • pessoas de 16 a 24 anos (25%);
  • moradores do Norte (36%);
  • quem tem ensino superior (33%);
  • os que recebem de 5 a 10 salários mínimos (49%).

© Fornecido por Poder360

No Congresso, há projetos de lei que tratam sobre a comercialização de animais. Proposta (PLS 358/2018) do senador Rudson Leite (PV-RR) dispõe sobre a proibição da venda de animais de estimação nas vias de circulação ou em ambiente público fora de estabelecimento comercial. O texto tramita na CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania) da Casa. O relator, senador Wellington Fagundes, já apresentou parecer (299KB) favorável.

Já na Câmara, o projeto do deputado federal Fred Costa (Patriota-MG), apensado a outro projeto que visa a instituir o Código Federal de Bem-Estar Animal, proíbe da comercialização de animais em pet shops, lojas de rações, lojas agropecuárias e similares. O projeto principal está aguardando a criação de comissão temporária para tratar sobre o tema.

Adoção de pets X Bolsonaro

PoderData também verificou a percepção dos brasileiros considerando a forma como eles avaliam o trabalho do presidente Jair Bolsonaro.

No grupo que considera seu desempenho individual na Presidência como  “ótimo” ou “bom”, 59% afirmam que as pessoas deveriam deixar de comprar cães e gatos e apenas adotar pets abandonados. Outros 20% são favoráveis ao comércio dos animais.

Entre os que rejeitam o presidente, ou seja, o avaliam como “ruim” ou “péssimo”, 58% também preferem a adoção e 21% não veem problemas no comércio de cães e gatos.© Fornecido por Poder360

Em 29 de setembro, Bolsonaro sancionou a lei que estabeleceu o aumento da pena de prisão para pessoas condenadas por maus-tratos a animais.

De acordo com a nova legislação, pessoas que forem flagradas praticando atos de maus-tratos a cães e gatos podem ser condenadas a penas que variam de 3 a 5 anos de prisão. Até então, a pena prevista era de 3 meses a 1 ano de prisão. Condenados também ficam proibidos de manter novos animais.

O conteúdo do PoderData pode ser lido nas redes sociais, onde são compartilhados os infográficos e as notícias. Siga os perfis da divisão de pesquisas do Poder360 no Twitter, no Facebook, no Instagram e no LinkedIn.

Reportagem: Sabrina Freire/Poder 360

ÚLTIMAS NOTÍCIAS